Looking for Alasca – Livro

04-resenha-de-livro-quem-e-voce-alasca

Antes de mais nada quero só sublinhar que este é um dos melhor livros de John Green. Estou neste momento num processo para terminar de ler todos eles (reviews sobre todos os outros aqui) e posso assegurar que este está entre os melhores dos melhores. É previsível que eu recomende qualquer um dos livros de John Green, mas a verdade é que este tem um gostinho especial. Foi um livro que mudou a minha perspectiva do “happy ever after” e que mostra que por vezes existem caminhos que não se podem evitar. Uma escrita brilhante, uma construção de personagens fenomenal, uma história evolvente e um enredo apaixonante. Um livro que se divide entre o Antes e o Depois, entre o que é possível ser mudado e o que marcará para sempre certas vidas.

Citações favoritas:

“You spend your whole life stuck in the labyrinth, thinking about how you’ll escape it one day, and how awesome it will be, and imagining the future keeps you going, but never do it. You just use the future to escape the present.”

“So I walked back to my room and collapsed on the bottom bunk, thinking that if people were rain, I was drizzle and she was a hurricane.”

“I go to seek a Great Perhaps. That’s why I’m going. So I don’t have to wait until I die to start seeking a Great Perhaps.”

*Breve resumo sem spoiler

Miles é um amante de últimas palavras, que decide mudar para um colégio interno e virar a própria vida de pernas para o ar na busca de um Grande Talvez. Neste novo colégio Miles conhece várias personalidades, entre elas Coronel, colega de quarto de Miles, Takumi, o rapaz raposa e Alasca, a rapariga mais bonita do Mundo. Alasca entra na vida de Miles sem pedir licença, vira tudo do avesso com a sua inteligência, com os seus mistérios e com a sua loucura, garantindo assim que para Miles iram existir sempre duas vidas, a vida pré-Alasca e a vida pós-Alasca.

See you soon.

Anúncios

Will Grayson, Will Grayson – Livro

will-grayson-will-grayson

Um livro de John Green e de David Levithan, Will Grayson, Will Grayson é sem dúvida uma obra que me deu prazer ler. Dois tipos de escrita semelhantes, mas em muitos aspectos completamente opostos. Gostei e como era de esperar recomendo. A minha personagem favorita é Tiny Coper, que apesar de não ter nada de “tiny” é sem dúvida um dos pequenos prazeres da leitura deste livro.

Citação favorita:  When things break, it’s not the actual breaking that prevents them from getting back together again. It’s because a little piece gets lost – the two remaining ends couldn’t fit together even if they wanted to. The whole shape has changed.”

*Breve resumo sem spoiler

Este livro conta a história de dois Will Graysons, o Will Grayson 1 e o outro Will Grayson, dependendo sempre do narrador que encontrarmos. Apesar de terem o mesmo nome estes Will Graysons tem pouco coisa em comum, até ao momento em que ambas as suas vidas se envolvem inesperadamente. Um encontro completamente aleatório, uma peça de teatro a princípio ridícula e muitas personagens de personalidades fortes, este é um livro que fala apenas e só da vida de dois Will Graysons diferentes.

See you soon, Ka. 

Paper towns – Livro

8126999512_326ae20f9d

Surpresa, surpresa, outro livro de John Green… Tentei mas não consegui evitar o meu vicio pela escrita deste escritor. Continuo em busca de um livro dele que supere “A culpa é das estrelas” (Review aqui) mas apesar de nenhum outro conseguir superar não consigo desprender-me da vontade de ler todos eles. Este é um livro diferente, que envolve perspectivas diferentes, vidas diferentes e histórias que sendo diferentes se encontram em momentos comuns. Recomendo porque não existe maneira de não recomendar um livro de John Green. A minha personagem favorita é e sempre será a Margo Roth Spiegelman, não tanto por ser em torno dela que sem ela a história gira, mas sim pela força que ela tem em ir contra tudo que a sociedade lhe impôs.

Citação favorita: “All those paper people living in their paper houses, burning the future to stay warm.” (…) “I’ve lived here for eighteen years and I have never once in my life come across anyone who cares about anything that matters.”

*Breve resumo sem spoiler

Este livro conta a história de duas vidas diferentes que numa noite de loucura se encontram. Quentin, o rapaz comum que deseja uma comum vida cheia de um curso superior, um bom emprego e um óptimo futuro para ele e Margo Roth Spiegelman, uma rapariga a quem a ideia de ter uma vida regida pelos eternos planos de um futuro é de todo impensável. Após um noite qualquer na qual Margo escolhe Quentin como o seu parceiro de aventuras Margo desaparece e a história continua sem ela, mas sem nunca deixando ela de ser a protagonista de uma história da qual decidiu fugir.

See you soon, Ka.

O Teorema Katherine – Livro

DSC_0677

Ok, admito que estou viciada na escrita de John Green, por isso é provavel que agora o blog se encha de reviewes e de posts sobre livros de John Green. A minha mais recente leitura (não contando o que estou a ler actualmente) foi o livro O Teorema Katherine de John Green. Gostei do livro. Gostei e cada vez gosto mais da escrita peculiar e divertida de John Green. Devo dizer que apesar deste livro girar todo em torno de Collin e das suas Katherines a minha personagem preferida é  Hassan, o melhor amigo meio gordo e meio muçulmano de Collin. Uma personagem insubstituível e que dá uma vida diferente ao livro.

Citação favorita (admito que a melhor parte de fazer posts sobre livros aqui no blog é poder voltar atrás no livro e reler todas as citação que sublinhei):

“You can love someone so much, he thought. But you can never love people as much as you can miss them.”

*Breve resumo sem spoiler:

O livro fala de um rapaz prodígio, Collin, que vive uma vida em busca do seu momento “Eureka”. Collin apesar de ser um prodígio no fim de carreira, como ele próprio costuma dizer, essa não é a sua característica mais peculiar. O rapaz prodígio ao longo da sua, ainda curta, vida namorou 19 raparigas chamadas Katherine, raparigas essas que de uma maneira ou de outra acabam por partir o coração de Collin. É nesse momento, e após muitas Katherines que Collin decide criar um teorema que permita prever a forma como as relação iram acabar.

See you soon, Ka.

The faul in our stars – Filme

Antes de mais nada queria admitir que sim! Estou viciada na obra incrível de John Green: The Fault in our Stars.
Bem, agora que admiti o evidente, continuemos. Antes de falar do filme brilhante que fui ver recentemente quero deixar aqui o meu humilde pedido de desculpas ao excelentíssimo escritor John Green por não ter sido capaz de acender ao seu pedido. Para quem não sabe, no início do livro John Green deixou uma nota de autor, na qual pede a todos os leitores que mantenham as personagens e a história por ele criadas na ficção que a elas é inerente. Deixo aqui o meu pedido de desculpas a John Green por tentar ler as entrelinhas da sua brilhantes história. Em minha devesa a culpa não é só minha visto que a qualidade da sua escrita incentiva a leitura paralela. Obrigada pela bela obra e me desculpe por ser demasiado curiosa.

Post sobre o livro: https://lifewithka.wordpress.com/2014/07/02/a-culpa-e-das-estrelas-livro/

Okay, passemos ao filme. Não tenho nada muito importante para dizer apenas e só que a adaptação do incrível livro de John Green em filme foi simplesmente brilhante. Um filme que foi fiel ao livro em todos os seus pormenores e que ao mesmo tempo deixou aquele gostinho nos leitores de saberem determinados segredos que o filme não revela. Um filme de chorar e rir de uma ponta à outra. Um filme que trouxe ao grande ecrã o melhor do cinema e o melhor da literatura. Um filme em todo ele incrível.

See you soon, Ka.

The fault in our stars – Livro

DSCF0057

Faz bastante tempo que eu queria ler o livro “A culpa é das estrelas” de John Green. Sei que são muitas a reviews deste livro, mas mal acabei de o ler decidi que não o poderia deixar passar em branco. Li o livro num dia, sim, num dia. (Este acto para mim traduz um bom livro). Estava em casa de um amigo e enquanto devia estar a ajuda-lo fui-me perdendo nas páginas do livro. Nunca tinha lido nada de John Green, mas após este livro decidi que quero ler muito mais. Uma escrita única, uma perspectiva diferente, uma construção de personagens fenomenal e muito mais, sem dúvida que muito mais.Este é sem dúvida um livro desses livros que agarram o leitor e não o soltam nunca mais. Não sei bem como explicar a diferença que este livro faz entre muitos outros livros, mas é diferente e trás ao leitor uma perspectiva única da vida, da morte e da vida quando se sabe que a morte é inerente. Recomendo, a toda a gente e espero que o filme que recentemente se estreou no cinema seja tão bom como as palavras deste livro que devorei.

Post sobre o filme: https://lifewithka.wordpress.com/2014/07/10/the-faul-in-our-stars-filme/

Provavelmente já toda a gente sabe, mas o livro relata a história de Hazel Grace, uma rapariga que com 16 anos vive uma vida controlada pelo cancro. Um dia, por insistência da mãe começou a frequentar um grupo de apoio para pessoas com cancro, que apesar de ser o grupo de apoio mais aborrecido do mundo foi tendo a sua importância na vida de Hazel, afinal foi nesse grupo que ela conheceu Augustus, um rapaz que à poucos anos tinha derrotado o cancro. Ao longo da história desenvolve-se um romance peculiar, um amor pouco explicável e um infinito diferente para Hazel Grace. “It’s a love story about to kids with cancer, but is not a story about cancer” – Shailene woodley ( actriz que faz a personagem de Hazel Grace no filme).

Deixo aqui uma das muitas citação que adoro deste livro:

“I’m in love with you,  ,and I’m not in the business of denying myself the simple pleasure of saying true things. I’m in love with you and I know that love is just a shout into the void, and that oblivion is inevitable, and that we’re all doomed and that there will come a day when all our labor has been returned to dust, and I know the sun will swallow the only earth we’ll ever have, and I am in love with you.”

See you soon, Ka